“Jesus Cristo como centro de nossa fé e como aquele que dá a razão para todo o nosso agir” é tema da reunião do CAP

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

No último sábado, dia 27 de abril, a Catedral Metropolitana de Juiz de Fora foi ponto de encontro para a primeira Reunião do Conselho Arquidiocesano de Pastoral (CAP) deste ano. Em formato inspirado no Sínodo de Roma, o encontro contou com participação representativa de todas as pastorais, movimentos, associações que compõem que a Arquidiocese de Juiz de Fora. Cerca de 75 pessoas entre leigos, padres e diáconos estiveram presente.

Grupos de trabalhos refletiam e diálogavam a partir das questões propostas

A metodologia chamada de “Diálogo no Espírito” foi usada pela primeira vez. “É um exercício de escuta e também de aprofundamento do que é sugerido dentro do trabalho, como hoje, por exemplo, nós aprofundamos em especial entender esse chamamento, que Jesus Cristo seja o centro da nossa vida. É um chamado particular a cada um de nós, como discípulos missionários, a concretizarmos essa escolha de Jesus na nossa vida e levarmos para nossa comunidade, a nossa família, onde somos chamados como batizados”, explicou Teresa Cristina, membro da Coordenação Sinodal da Ação Evangelizadora.

A reunião tratou principalmente de dois temas: a centralidade de Jesus Cristo em todas as pastorais da Igreja local e preparação para a vida da fé e evangelização. “Esses dois temas são, portanto, estudados por pessoas que vêm de todas as foranias, das doze foranias que temos, de muitas paróquias, e de movimentos e pastorais; para que a gente possa ter em toda a arquidiocese de Juiz de Fora, uma unidade, uma caminhada, portanto, uma caminhada sinodal. Nós estamos muito felizes, muito satisfeitos, com o que está acontecendo essa manhã”, comentou o Arcebispo Metropolitano, Dom Gil Antônio Moreira que esteve participando de toda a reunião.

Padre Gleydson Pimenta de Faria, Assessor da Pastoral Catequética, esteve instigando reflexões acerca da iniciação cristã como eixo da vida pastoral. “O diálogo que hoje aqui estabelecemos, penso que são profícuos, exatamente porque eles ajudam a clarificar essa importância, isto é, essa retomada de Jesus Cristo como centro de nossa fé e como aquele que dá a razão para todo o nosso agir, isto é, para toda a nossa pastoral, qualquer pastoral, qualquer modo de ser da Igreja, deve ser sempre em função da ajuda a realizar o encontro daquela pessoa com Jesus Cristo. Como eu terminei dizendo, Bento XVI nos disse que ao início do ser cristão não existe uma filosofia de vida, uma ideologia, um modo de ser, mas existe um encontro com uma pessoa que é a pessoa de Jesus Cristo que transforma a vida e dá sentido à toda a nossa vida, a vida de nós que cremos”, afirmou ele.

Momento de oração no final da reunião

Para Anneliese Vieira, representante do Movimento Focolares, a manhã foi muito construtiva. “Eu acho que nos direciona nesse amor a Deus, a união com Deus e a unidade com a Igreja. Devemos sempre estar juntos, mas não parar aí, também darmos os nossos passos, também tentarmos, de alguma maneira, viver o amor ao próximo, ao ponto que que possam dizer: ‘olha como se amam! Dentro da igreja eles se amam e trabalham sempre para a obra de Deus’, eu acho que é o nosso principal objetivo”.

Ao final do encontro a Coordenação Sinodal da Ação Evangelizadora, agradeceu a presença e as contribuições de todos e pediu que na próxima reunião, que acontecerá no dia 26 de outubro, venham as mesmas pessoas para, assim dar continuidade aos trabalhos de forma mais efetiva.

Veja Também