Escola Permanente de Formação Catequética retoma suas atividades presenciais

No último sábado, 25 de março, cerca de 140 catequistas se reuniram no prédio da Cúria Metropolitana para o primeiro encontro da Escola Permanente de Formação Catequética deste ano. A ocasião marcou o retorno das atividades presenciais da Escola José Sávio Ricardo.

As atividades ocorreram ao longo de todo o dia, com momentos de oração, louvor, partilhas e troca de conhecimento. Para o catequista Alan Luís da Silva, o encontro foi muito aguardado, pois não ocorriam há três anos, devido a pandemia. “Eu senti falta. Fiquei muito feliz quando soube que ia voltar e fiz questão de participar, mesmo já tendo participado [em outros anos]. O encontro foi muito bom, puder ver pessoas que fizeram da outra vez e conhecer muita gente nova, graças a Deus”, comentou ele, atuante na Paróquia Nossa Senhora da Conceição, em Matias Barbosa (MG), desde os 13 anos.

Já tendo passando por várias turmas, seu atual desafio é a catequizar de adultos. Alan contou que, em sua opinião, as falas contribuíram muito. “Foi um encontro de troca de experiências muito bom, várias realidades, vários jeitos diferentes de catequizar, mas todos com o mesmo objetivo, então foi muito válido e muito gratificante participar”.

O Assessor Arquidiocesano da Pastoral Catequética, Padre Gleydson Pimenta de Faria, recordou que a formação trabalhada na escola visa, sobretudo, três grandes dimensões: o ser, o saber e o saber fazer. “Hoje, por exemplo, vamos trabalhar a espiritualidade do catequista aquele que é catequista no seio e na vida da Igreja, a partir do encontro com a pessoa de Jesus, vivendo a espiritualidade da Santíssima Trindade”, explicou ele no início do dia, em entrevista à WebTv A Voz Católica.

Representando da Paróquia Nossa Senhora do Rosário, do bairro Granbery, Manuella Rezende e outros quatro catequistas estiveram presentes. Pela primeira vez nas formações, ela afirmou que, mesmo sendo uma reunião que dura o dia todo, a equipe da escola conseguiu deixar o encontro leve e nem viu a hora passar. Também disse ter gostado bastante, principalmente da temática central. ”Eles apresentaram e levaram a gente a refletir que a espiritualidade não pode ser vista como momentos, tem que ser contínuo. Nossa vida tem que ser pautada nessa espiritualidade; que é justamente o que vai dar o ânimo para transbordarmos isso para os catequizando, e não só para eles”.

A próxima formação será no dia 15 de abril.

Veja Também