“É preciso agir” é o alerta da campanha setembro amarelo da associação brasileira de psiquiatria

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Em 2014,  10.631 pessoas cometeram suicídio no Brasil segundo a Organização Mundial de Saúde. Um a cada 4 jovens considerou seriamente a possibilidade de suicídio nos últimos 30 dias. O bispo referencial da Pastoral da Saúde, dom Ferrería Paz provoca a Igreja para fortalecer iniciativas de prevenção nas comunidades.

No mundo, estima-se que 800 mil pessoas, a casa ano, cometem suicídio.  É para estas realidades que o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio, estabelecido pela OMS no dia 10 de setembro, faz o alerta: “É preciso agir”. Mais de 90% dos casos de suicídio poderiam ser evitados caso as pessoas que o cometem fossem ouvidas segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS).

Para aumentar a possibilidade de salvar vidas, a Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), em parceria com o Conselho Federal de Medicina (CFM), organiza nacionalmente o Setembro Amarelo, desde 2014. Este ano a campanha tem o mote: “É preciso agir”. Em um site, especialmente criado para a campanha, é possível encontrar as diretrizes e o material de divulgação e suporte para a participação na campanha.

O bispo de Campos (RJ) e referencial da Pastoral da Saúde, dom Roberto Francisco Ferrería Paz, disse que a Igreja no Brasil participa desta campanha de diferentes formas divulgando as iniciativas nas comunidades. A Pastoral da Saúde junto a psiquiatras e psicólogos católicos realiza eventos em várias dioceses.

Segundo o bispo o impacto da pandemia, com o isolamento social e o desemprego, associadas à deterioração das condições de vida são recentemente potenciais fatores para o aumento nos casos de suicídios no Brasil. Este contexto, no qual a vida está por um fio e sem perspectivas de futuro, é muito preocupante especialmente para os jovens alerta dom Roberto.

O que as comunidades eclesiais podem fazer

A escuta organizada para a prevenção ao suicídio é algo que toda comunidade pode fazer, apontou o bispo referencial da Pastoral da Saúde. Desta forma, segundo ele, é possível identificar os sinais e a presença do desejo de tirar a própria vida e reduzir o número de mortes uma vez que 90% dos casos são reversíveis. “Para desistir do suicídio basta ser ouvido com amor”, disse.

O bispo também fez o alerta da presença na internet de grupos que promovem a prática com mensagens negativas. O bispo elogia as iniciativas de escuta espiritual e religioso organizados pelas comunidades e também atendimento terapêutico neste contexto da pandemia e reforça que a Igreja no Brasil deve investir mais nestas inciativas.

Estas iniciativas giram em torno do que ele considera com uma verdadeira pastoral da escuta e de aconselhamento. “O Serviço de Escuta e aconselhamento neste tempo da pandemia são fundamentais. Vamos rezar neste mês de setembro e animar a todas as pastorais e comunidades em torno deste tema que pode estar perto de cada um de nós, um vizinho, um familiar e um irmão”, convocou.

Ajuda imediata

Dom Roberto Ferrería desafiou a Igreja no Brasil a se aproximar do Centro de Valorização da Vida (CVV) realiza apoio emocional e prevenção do suicídio, atendendo voluntária e gratuitamente todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo, por telefone (basta discar 188), email e chat 24 horas todos os dias.

Considerando que o isolamento social é um entre os vários fatores de risco, é possível afirmar que o número de suicídios aumentou neste contexto da pandemia. Em caso de emergência, ligue para o SAMU no número 192.

Fonte: Site da CNBB

Veja Também