Documento sobre Igreja Sinodal na América Latina e Caribe é apresentado em Roma

Foto: Reprodução Vatican Media
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

O Conselho Episcopal da América Latina e Caribe (CELAM) apresenta oficialmente nesta segunda-feira, 31 de outubro, o documento da Assembleia Eclesial “Rumo a uma Igreja sinodal em saída para as periferias – Reflexões e propostas pastorais a partir da Primeira Assembleia Eclesial da América Latina e do Caribe”. O subsídio, que representa o fruto do processo sinodal que a Igreja da América Latina e do Caribe passou, é apresentado em uma coletiva de imprensa na sede da Rádio Vaticano. A publicação reúne as propostas pastorais e as linhas de ação que emergiram da Assembleia Eclesial realizada de 22 a 28 de novembro de 2021 na Cidade do México, com mais de mil participantes na modalidade presencial e remota.

As orientações pastorais expostas no documento da Assembleia Eclesial assumem os desafios da realidade do continente, que foram apresentados pelo povo de Deus durante o processo de escuta prévia à Assembleia Eclesial e amplamente discutidos num processo de discernimento sinodal que propõe um novo itinerário para a ação pastoral da Igreja na América Latina e no Caribe. Uma proposta coerente com o chamado do Papa Francisco para viver a experiência de sinodalidade e que nos convoca como discípulos missionários a serviço de uma Igreja em movimento que traz experiência ao próximo Sínodo sobre a Sinodalidade.

Na apresentação estão presentes os membros da presidência do CELAM e convidados especiais: dom Miguel Cabrejos Vidarte, arcebispo de Trujillo – Peru e Presidente do CELAM, cardeal Odilo Pedro Scherer, arcebispo de São Paulo – Brasil e Primeiro Vice-Presidente, cardeal Leopoldo José Brenes, arcebispo de Manágua – Nicarágua e segundo vice-presidente, dom Jorge Lozano, arcebispo de San Juan de Cuyo – Argentina e Secretário Geral e Gianni La Bella, teólogo e historiador.

Há também testemunhos que participaram do processo que levou à Assembleia Eclesial da América Latina e do Caribe. Entre eles, irmã Gloria Liliana Franco, presidente da Confederação Latino-americana e Caribenha de Religiosos (CLAR), dom José Luis Azuaje, arcebispo de Maracaibo e presidente da Cáritas América Latina e Caribe, irmã Laura Vicuña, representante da Conferência Eclesial da Amazônia (CEAMA) e Paola Balanza, representante da Pastoral Juvenil Latino-americana.

Confira o lançamento:

O documento

O documento é de conclusão da própria assembleia eclesial, uma iniciativa inédita, relembrou dom Héctor Miguel Cabrejos, arcebispo de Trujillo (Peru) durante a Conferência Geral da Federação das Conferências Episcopais Asiáticas (FABC) que terminou no domingo, 30, ao expor sobre a realidade da Igreja na América Latina e no Caribe. Na palestra, intitulada “O Conselho Episcopal da América Latina e do Caribe (Celam) em comunhão com a Igreja Universal”, o presidente do Celam tratou da assembleia eclesial e disse que ela foi precedida por um processo de escuta, com grande uma participação de mais de 70 mil pessoas, assim como na própria assembleia, com mais de mil envolvidos.

O bispo relatou o trabalho do Celam na animação do processo continental do Sínodo sobre a Sinodalidade, formando duas grandes comissões de trabalho. Insistiu ainda que “o que a Igreja da América Latina e do Caribe tem feito é tentar ser fiel ao ensinamento conciliar e, ainda mais, à experiência dos primeiros cristãos, de caminhar de forma sinodal”, como uma dimensão que torna possível “uma maior capacidade evangelizadora”.

Veja Também