Distrito de Sarandira celebra padroeira em prol de restauro da Matriz Nossa Senhora do Livramento

DSC05747
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Na noite desse sábado (15), Solenidade da Assunção de Maria, o distrito de Sarandira, a pouco mais de 25 quilômetros de Juiz de Fora, celebrou o dia de sua padroeira, Nossa Senhora do Livramento. A festa, que contou com a presença do arcebispo metropolitano de Juiz de Fora, Dom Gil Antônio Moreira, teve início com procissão saindo da Matriz local, que passa por obras de restauração e para a qual a verba arrecadada nas festividades foi destinada.

O cortejo, que levava as imagens de Nossa Senhora do Livramento e de São Sebastião – o patrono dos produtores rurais –, passou por ruas do distrito e parou no Centro Comunitário local, onde Dom Gil presidiu a Santa Missa. Concelebrou com o arcebispo o administrador paroquial da Paróquia Nossa Senhora do Livramento, Padre Liomar Rezende de Moraes. A celebração ainda contou com a presença de seminaristas diocesanos, de moradores da cidade de Pequeri/MG e de representantes da equipe 40 das Equipes de Nossa Senhora, que tem Nossa Senhora do Livramento como padroeira.

Durante a homilia, Dom Gil refletiu sobre a Festa da Assunção de Nossa Senhora e sobre a devoção católica à Mãe de Jesus. O arcebispo reiterou a importância de Maria tomando como base passagens bíblicas e ainda afirmou ser Nossa Senhora a grande intercessora e protetora dos fiéis.

Após a Santa Missa, foi dada continuidade à procissão, que seguiu novamente em direção à Matriz. Chegando ao local, houve coroação da imagem de Nossa Senhora do Livramento por crianças da Catequese. Logo após, a comunidade confraternizou-se em festa, com o funcionamento de barraquinhas, leilão de prendas e bezerros e música ao vivo.

Obras de restauração da Matriz Nossa Senhora do Livramento

A Matriz Nossa Senhora do Livramento data de 1844 e foi tombada através de Decreto Municipal em 2004. Oito anos depois, no entanto, ela foi fechada por conta de problemas estruturais. Desde então, a comunidade de Sarandira se reúne em um Centro Comunitário e em casas de moradores do distrito e une esforços para conseguir reabrir o templo religioso.

DSC05729Atualmente, as obras de restauração da Matriz estão na fase de elaboração de projetos e levantamento arquitetônico da edificação. Para isso, há cerca de um ano, foi firmada uma parceria entre a Arquidiocese e a Universidade Federal de Juiz de Fora. A instituição realiza projeto de extensão sob a responsabilidade da professora do curso de Arquitetura e Urbanismo, Fabiana Jacques, e conta com a colaboração de cinco alunos da universidade. Vale destacar a participação do arquiteto da Divisão de Patrimônio Cultural (Dipac) da Funalfa, Paulo Gawryszewski.

A partir daí, serão elaborados os projetos complementares – estrutural, hidráulico, elétrico e de paisagismo – para que o processo de restauro propriamente dito da igreja seja iniciado. Hoje, o templo passa pela fase de escoramento interno emergencial, possibilitado por conta da compra de andaimes pela Arquidiocese de Juiz de Fora.

O administrador paroquial da Paróquia Nossa Senhora do Livramento, Padre Liomar Rezende de Moraes, afirma que a Matriz local representa o auge do distrito de Sarandira, mas destaca que o fato de o templo estar fechado não impossibilitou a prática da fé dos moradores. “A igreja é o bem mais precioso que o distrito possui. Além de ser um templo religioso, podemos dizer que ele representa o auge do distrito, que, no passado, contou com cinco mil moradores. Embora o templo esteja fechado, a igreja não está morta, ela continua. Nós temos um espaço comunitário onde realizamos as celebrações e, em alguns momentos, celebramos em algumas casas”.

O arcebispo metropolitano de Juiz de Fora, Dom Gil Antônio Moreira, reforça a importância do restauro do templo religioso. “Em primeiro lugar o restauro interessa à pratica da fé, às celebrações que devem ser feitas. Por outro lado, ela é também uma obra de arte que marca a história de Juiz de Fora, sendo reconhecida pelo poder público através do tombamento pela Prefeitura. Por isso fazemos o esforço necessário e esperamos a parceria do poder público e de quem puder colaborar para preservarmos aquilo que nossos antepassados, com tanto sacrifício e entusiasmo, fizeram e deixaram para que nós pudéssemos cuidar”.

Clique aqui e confira as fotos da festa desse sábado (15).


Outras informações:

Assessoria de Comunicação Arquidiocese de Juiz de Fora: (32) 3229-5450

Veja Também