Comunidade da Paróquia de Benfica celebra São Cristóvão

Foto: Pixabay
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Na Zona Norte de Juiz de Fora, a Comunidade São Cristóvão, do Bairro Jardim de Fátima, inicia nesta sexta-feira (15) festa em honra a seu padroeiro, aquele que é invocado como Padroeiro dos barqueiros, peregrinos, viajantes e motoristas.

A novena acontece até o dia 23 de julho, sempre às 19h30. Sua programação especial continua no domingo, dia 24 de julho, com Missa às 17h, seguida de carreata. Já no dia dedicado ao padroeiro dos motorista (25), a igreja ficará aberta para oração a partir das 12h, encerrando a festividade às 19h30 com Missa Solene.

A comunidade, pertencente à Paróquia Nossa Senhora da Conceição, fica na Rua Paulo Garcia, 613 – Bairro Jardim de Fátima.

A vida do santo

A devoção a são Cristóvão é uma das mais antigas e populares da Igreja, tanto do Oriente como do Ocidente. São centenas de igrejas dedicadas a ele em todos os países do mundo. Também não faltam irmandades, patronatos, conventos e instituições que tomaram o seu nome, para homenageá-lo. Ele consta da relação dos “quatorze santos auxiliadores” invocados para interceder pelo povo nos momentos de aflições e dificuldades. Assim, o vigor desta veneração percorreu os tempos com igual intensidade e alcançou os nossos dias da mesma maneira.

Entretanto são poucos os dados precisos sobre sua vida. Só se tem conhecimento comprovado de que Cristóvão era um homem alto e musculoso, extremamente forte. Alguns escritos antigos o descrevem como portador de “uma força hercúlea”. Pregou na Lícia e foi martirizado, a mando do imperador Décio, no ano 250. Depois disso, as informações fazem parte da tradição oral cristã, propagada pela fé dos devotos ao longo dos tempos, e que a Igreja respeita.

Mudou seu nome para Cristóvão, que significa algo próximo de “carregador de Cristo”, e passou a peregrinar levando a palavra de Cristo. Foi à Síria, onde sua figura espetacular e nada normal chamava a atenção e atraía quem o ouvisse. Ele, então, falava do cristianismo e convertia mais e mais pessoas. Por esse seu apostolado foi denunciado ao imperador Décio, que o mandou prender. Mas não foi nada fácil, não por causa de sua força física, mas pelo poder de sua pregação.

*Fonte: Site Dom Total

Veja Também