Arquidiocese de Mariana terá dia 1º de maio marcado por 30ª Romaria dos Trabalhadores e Trabalhadoras

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Há 31 anos, o dia 1º de maio é marcado pela fé e pela luta de direitos na Arquidiocese de Mariana. Na data, acontece tradicionalmente a Romaria dos Trabalhadores e Trabalhadoras que, neste ano, chega em sua 30ª edição.

Com o tema “Pacto pela Vida: um grito contra a perda de direitos” e o lema “A vida é o germe da semente e o broto da nascente”, a 30ª Romaria dos Trabalhadores e Trabalhadoras será realizada na cidade de Acaiaca (MG), na Região Mariana Leste, a partir das 8h. A iniciativa é promovida pela Dimensão Sociopolítica da Arquidiocese de Mariana e, neste ano, é acolhida e apoiada pela Paróquia São Gonçalo e suas comunidades, além da Escola Família Agrícola Paulo Freire (EFA).

Segundo o Coordenador Arquidiocesano da Dimensão Sociopolítica, Padre Geraldo Martins, Acaiaca foi escolhida para sediar a Romaria por ser uma das cidades que não foi reconhecida como atingida pelo rompimento da Barragem do Fundão, em novembro de 2015.

“Queremos chamar atenção para essa injustiça e as consequências desse crime das mineradoras nas comunidades deste município. Entendemos ser urgente fortalecer a luta pela recuperação e preservação da Bacia do Rio Doce”, afirma o sacerdote, explicando que a cidade é banhada pelos rios Gualaxo do Norte e Gualaxo do Sul, afluentes da referida Bacia.

Além disso, outros motivos são em razão das consequências das fortes chuvas que atingiram o município no início deste ano e devido à luta da comunidade local contra a Pedreira Estrela D’Alva. “Nós estamos tendo hoje também no município um desafio que são as famílias da Comunidade do Gangula. No local, passam os caminhões da pedreira que estão prejudicando muitas famílias, que tiveram que sair das suas casas. Então, a Romaria também reforça a luta dos atingidos”, relata o Diretor da EFA Paulo Freire e Representante da Comissão para o Meio Ambiente da Província de Mariana, Gilmar de Souza Oliveira.

De acordo com a Coordenadora da Paróquia São Gonçalo, Efigênia da Cruz Ventura, os principais danos causados pelas atividades da pedreira, que atua na cidade há cerca de quatro anos, são a degradação ambiental, a poluição constante e o peso excessivo das carretas, que ocasionam rachaduras nas casas, fazendo muitos moradores abandoná-las pelos riscos, precisando, assim, morar de aluguel.

Conforme Padre Geraldo, a questão “exige nossa solidariedade na defesa de seus direitos e de sua dignidade”. “Daí nosso tema, ‘Pacto pela vida, um grito contra a perda de direitos’, que nos remete à luta de todos os trabalhadores e trabalhadoras”, detalha.

Intercâmbio cultural

Em sintonia com a 30ª Romaria, acontecerá também um intercâmbio entre as comunidades quilombolas e grupos culturais regionais. De acordo com o Gilmar, a iniciativa estava sendo promovida por organizações municipais, juntamente à EFA Paulo Freire e demais entidades locais, e tem como objetivo fortalecer a Romaria dos Trabalhadores e Trabalhadoras e integrar as bandeiras de luta.

Ainda conforme o Diretor da EFA local, após o almoço, haverá a “Ciranda da Semente”, ocasião em que os presentes poderão realizar a troca de sementes e mudas de plantas, além de uma programação cultural com a apresentação dos grupos e cantores da região.

“Tudo isso está sendo articulado com o apoio do projeto Água Limpa que tem como título ‘Famílias e comunidades tradicionais quilombolas promovendo Meio Ambiente em Acaiaca’. A gente está fazendo, então, uma conexão de ações, que estavam previstas no projeto, potencializando o espaço da Romaria com as trocas, falando sobre a importância da recuperação das nascentes e a construção de fossas biodigestoras para o tratamento do esgoto”, explica Gilmar, enfatizando que a iniciativa poderá contribuir para o fortalecimento das bases locais.

Fonte: Site do Regional Leste 2

Veja Também