Administração colegiada do Economato é adotada pela Arquidiocese de Juiz de Fora

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

No dia 8 de abril, foi oficializado um novo modelo de gestão do economato da Arquidiocese de Juiz de Fora, que passa a administrado de forma colegiada, com os Padres Liomar Rezende de Moraes e Ronny Moreira de Oliveira.

A cerimônia ocorreu na sala Arcebispo Metropolitano, Dom Gil Antônio Moreira, no Edifício Christus Lumen Gentium, com a presença dos Padres Geraldo Dondici, Vigário Episcopal para Caridade; Geraldo Luiz Alves Silva, Vigário Judicial; Monsenhor Luiz Carlos de Paula, Vigário Geral, além de membro do Conselho Arquidiocesano de Assuntos Econômicos (CAAE).

Na imagem Padre Liomar, Dom Gil e Padre Ronny, durante a cerimônia de posse

“Nossa arquidiocese dá um passo avante na questão administrativa adotando agora um economato colegiado. No futuro poderá até entrar mais pessoas para este grupo do economato. Agradeço os dois pela dedicação a competência, são pessoas que estudam esta área da administração para bem servir a igreja local. Que Deus abençoe o trabalho deles e abençoe toda nossa Arquidiocese neste novo passo que está dando a partir de hoje”, comentou Dom Gil.

Os padres já trabalhavam juntos, porem agora passam a dividir as responsabilidades forma mais igualitária. “Daremos continuidade aos trabalhos da nossa arquidiocese, pensando sempre no bem na nossa Igreja e fazendo com que o nosso serviço seja também uma forma de nos entregarmos a Missão que nos é confiada por meio do ministério presbiteral, sendo sempre solícitos as necessidades da Igreja”, afirmou Pe. Ronny.

Segundo o Código de Direito Canônico, no Cân. 494, o ecônomo tem por atribuição administrar os bens da Diocese por um mandato mínimo de cinco anos, o qual pode ser prorrogado pelo Bispo Diocesano e o Colégio de Consultores.

Padre Ronny assinando a ata de posse

Para tal atribuição os padres fazem cursos e até pós-graduação, como é o caso do Padre Liomar, ele explicou melhor do que se trata o trabalho do Ecônomo. “O processo da gestão eclesial é uma dupla função: a primeira é uma função interna, para que nós possamos e tenhamos condição de cumprir com nossa função da Igreja que é a evangelização, nós precisamos cuidar muito bem, fazer uma gestão correta dos nossos bens materiais. Depois, ela também tem uma função externa, que é fazer uma externa que é atender as exigências legais do estado perante a Igreja”.

Antes da assinatura dos termos de posse ocorreu um momento de oração e leitura da palavra.

Veja Também