A generosidade que transforma vidas na terra de Jesus

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Igrejas que ajudam outras Igrejas, em uma rede contínua de fraternidade. Esta é uma marca registrada da comunidade cristã em todo o mundo. Mas há uma para o qual a ajuda recebida das Igrejas do planeta assume um valor único. É aquela que tem as suas raízes – as pedras da sua história, os espaços de sua geografia – diretamente no Evangelho. É a Igreja dos Lugares Santos, de Jerusalém, Belém, Nazaré, que a cada ano reserva uma ajuda específica assegurada pela Coleta para a Terra Santa, recolhida em todas as comunidades eclesiais na Sexta-feira Santa. Um costume não observado este ano em função da pandemia.

Nova data para um dia solene

Em abril passado, quando a crise de Covid-19 havia transformado em deserto as paróquias de muitos países europeus – tradicionalmente na vanguarda da Coleta – o Papa Francisco havia aprovado a proposta de adiar esta coleta de ofertas para 13 de setembro de 2020. Uma data, explica o padre franciscano Francesco Patton, Custódio da Terra Santa, escolhida “porque é o domingo mais próximo da festa da Exaltação da Santa Cruz, que celebramos aqui em Jerusalém – explicou ele – com particular solenidade, para recordar até que ponto chegou o amor do Filho de Deus por nós: a ponto de dar a vida na Cruz, pela nossa salvação”.

Ajuda inestimável

 O padre Patton ilustra em um vídeo as mil formas que a Coleta costuma assumir, uma vez que as ofertas das paróquias e dioceses de todas as latitudes chegam à Custódia. As necessidades são de todos os tipos e não dizem respeito somente à manutenção dos lugares santos, da Basílica da Natividade ao Santo Sepulcro.

“Graças àquilo que vocês, cristãos de todo o mundo, dão generosamente”, explica o padre Patton, “poderemos apoiar a ação pastoral das paróquias que nos foram confiadas; poderemos garantir uma educação de qualidade aos mais de 10 mil estudantes que frequentam nossas escolas; poderemos ajudar as jovens famílias a encontrar uma casa; poderemos ajudar os trabalhadores migrantes cristãos a se sentirem acolhidos, mesmo que estejam longe de sua pátria; poderemos estar ao lado das populações atingidas pela guerra na Síria e dos refugiados agora espalhados nos diversos países onde vivemos nossa missão”.

São tantas as formas de expressar ao menos uma vez por ano o apoio – como diria Francisco – à “carne de Cristo” nos lugares onde Cristo se fez carne por todos.

Fonte: Site Vatican News

Veja Também