Visitas domiciliares podem ser retomadas na Pastoral da Criança, com alguns cuidados

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

As visitas domiciliares são a principal ação da Pastoral da Criança. Por meio delas, as equipes ficam mais próximas das famílias, conhecem a realidade das crianças e gestantes e podem orientar e partilhar conhecimentos e experiências sobre pré-natal, saúde, nutrição, higiene, prevenção de doenças, incluindo a Covid-19.

Em milhares de comunidades os líderes já retomaram as visitas com os devidos cuidados, mas, como há dúvidas, a pastoral publicou, em seu site, os cuidados básicos para garantir a segurança de todos na visita domiciliar.

O principal é não realizar atividades dentro da residência. A visita precisa ser feita na área externa, em local aberto. Segundo especialistas, o risco de contaminação de Covid-19 ao ar livre é quase zero, se outros cuidados também forem tomados, tais como:

Manter distância de 2 metros de outras pessoas (incluindo das crianças);
Utilizar máscara o tempo todo;
Não compartilhar objetos e pertences, tais como celulares, papéis e canetas;
Lavar as mãos ou usar álcool gel;
Não tocar olhos, boca e nariz;
– Ao retornar para casa, realizar a lavagem correta das mãos com água e sabão.

Outro fator que contribui para evitar o contágio é o fato de os líderes morarem na mesma comunidade das famílias acompanhadas, evitando a necessidade do uso de algum meio de transporte com aglomeração de passageiros. O texto ainda reforça a importância de o líder que apresentar febre e qualquer sintoma respiratório (tosse, coriza, dor de garganta, falta de ar etc), permaneça em isolamento domiciliar, conforme orientação médica.

É natural que algumas pessoas não se sintam seguras em fazer as visitas domiciliares: nestes casos é importante convidar um jovem, alguém da equipe de apoio à comunidade ou outras pessoas de Igreja para que vão até as famílias e assegurem-se que elas têm o necessário apoio, especialmente neste momento de grandes dificuldades.

*Com informações do site da Pastoral da Criança

Veja Também