Vigário Geral do Papa preside missa para os funcionários do Vaticano

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Na manhã desta quinta-feira (16), os funcionários do Vaticano participaram da Missa de preparação para o Natal, celebrada pelo Cardeal Mauro Gambetti, Vigário Geral do Papa para a Cidade do Vaticano. “Uma missa – sublinhou o franciscano – para reafirmar a importância da missão de servir juntos a Igreja e o Papa”.

Em sua homilia, o Cardeal recordou as páginas de Isaías e a próxima pertinência daquele “breve momento em que vos abandonei”. Estas palavras refletem crises como as vividas pela “Igreja, que”, disse o purpurado, “parece estar passando por momentos de desânimo e escuridão”.

O Natal é a novidade que vem para perturbar porque “Deus está perto e a vida explode exuberante, a alegria é incontrolável”, afirmou. Segundo o prelado, a festividade envolve a ternura, a compaixão e o amor do Senhor “em uma relação tão íntima que se manifesta palpável e poderosamente em uma relação conjugal”.

“Deus, o autor da vida, entrega-se a cada um para fazer sua vida explodir em cada um de nós. O Natal é a vida sempre nascendo, é Deus em nós”.

Igreja de testemunhas não de perfeitos

O desejo do Cardeal Gambetti é que esta vida habite cada vez mais no coração de cada um. Isso, porque “esta missão que nos foi confiada juntamente com o Santo Padre é ser guardiões da fé, da Igreja Católica e testemunhas da fé”. Uma missão a ser levada ao mundo com uma clareza cada vez mais vívida.

O purpurado não escondeu os sentimentos que habitam no coração de cada um, como a desolação, o medo e a vergonha; sentimentos que a humanidade experimenta, mas também a Igreja, que é afetada por eles.

“Mesmo nós aqui”, acrescentou, “talvez sejamos especialmente assim quando ouvimos e vemos comportamentos incorretos por parte de alguém, quando ouvimos com insistência sobre escândalos. Portanto, gostaria que compartilhássemos a profecia que nos é dirigida, que a compreendêssemos. A Igreja não é o povo dos perfeitos, mas o povo dos crentes. Quem não se afastou de Deus por obtusidade, por medo, por orgulho, Pedro é uma testemunha de fé, não da perfeição”.

Escolher quem ser

“Quando chega o Natal, é necessário tomar uma posição porque se pode ser como as pessoas que escutam João, ou como os doutores da lei que não acreditam e não se deixam batizar, que não permitem que Deus realize seu plano de salvação para eles”, alertou.

Daí o convite para escolher quem se tornar, quem ser: “irados como Herodes; distraídos como os habitantes de Belém que não acolhem Maria e José; humildes trabalhadores na espera da vida como os pastores ou como Maria e José, abertos à vontade de Deus”.

Ao invés de perder tempo com murmurações, explicou o Cardeal Gambetti, ou desperdiçando energia no poço da tristeza ou na vacuidade dos juízos, é necessário levantar os olhos do coração, deixando-se agarrar pela promessa de redenção, abrindo-se às surpresas da vida.

Para ir ao encontro do próximo Natal, o desejo do purpurado é deixar-se imergir em sua vida e “tornar-se o lugar, o altar, o tálamo do matrimônio com Deus e gerar nova vida com ele”. Que se torne, portanto como “Maria, José, como os pastores, acolhendo a vida nascente porque desta forma nos tornamos capazes de difundi-la cada vez mais, de fazê-la crescer em nosso trabalho, mas também na família e nos ambientes em que vivemos”.

Fonte: Site Notícias Canção Nova

Veja Também