Setembro Amarelo: escuta e fé são aliados na prevenção de suicídios

Foto: Internet
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Há oito anos, é realizada a campanha Setembro Amarelo, promovida pela Associação Brasileira de Psicologia e pelo Conselho Federal de Medicina.

O objetivo é chamar a atenção para a identificação e o apoio correto às pessoas em situação de sofrimento mental. E a fé é um instrumento importante para ajudar a superar as turbulências, junto com o tratamento médico adequado, e fazer sempre a escolha pela vida.

A Rádio Catedral conversou com o diretor-secretário da Santa Casa de Misericórdia de Juiz de Fora, Padre José Leles da Silva, que é formado em psicologia. O sacerdote explicou que o gesto extremo de tirar a própria vida é a consequência de uma dor maior e que essas pessoas dão indícios de que vão recorrer a esse recurso para parar sua dor.

O sacerdote destaca que, quem estiver no entorno, deve ficar atento aos sinais de que uma pessoa conhecida ou próxima está em situação vulnerável. “ O indivíduo que tende a culminar seus atos com suicídio, ele, às vezes, nos manda muitos recados, diz: já não aguento mais a vida, eu prefiro morrer, não aguento mais, e nós não nos damos conta de que está nos dizendo que a dor é muito pungente, muito forte, está acima das suas forças físicas, espirituais e mentais. Então é preciso que nós estejamos atentos para escutar o clamor do outro que está ao meu lado. E a Igreja Católica, e as igrejas cristã, é um espaço privilegiado dessa escuta”.

Prestar atenção naquilo que as pessoas estão manifestando vai além de falar e de apenas ouvir. “Às vezes nós ouvimos, mas não escutamos, como diz Jesus. Ouvir é um dado, uma sensibilidade do aparelho auditivo, mais escutar é mais do que isso. É preciso que a gente escute aquele que está passando por uma dificuldade. Quando a gente deixa cair no coração a dor do outro a gente tem mais condição de ampara-lo”, explicou ele.

“Fé genuína faz crer no amanhã: depois do sofrimento, vem a alegria”

Vale a pena deixar claro: as doenças de saúde mental não são causadas por falta de fé. No entanto, ter esta força verdadeira é muito mais que ter religiosidade, como analisa Padre Leles. “O ser humano é feito de cabeça e coração e, às vezes, a cabeça, a saúde mental, não está bem, há uma dificuldade a ser enfrentada, e se o coração está possuído pela fé, uma fé verdadeira, a fé é uma grande aliada. A probabilidade de superação é muito maior. Quando o indivíduo não tem fé ele se entrega, ele não acredita. É preciso ter fé em si mesmo, nos profissionais e em Deus”.

Quem estiver enfrentando esta situação, não deve ter vergonha. A orientação é buscar ajuda médica especializada e se apoiar na fé. Como reforça a campanha do Setembro Amarelo deste ano, a vida é a melhor escolha.

Fonte: Site da Rádio Catedral de JF

Veja Também