Papa Francisco: “Os pobres facilitam o acesso ao Céu”

0

“Os pobres são preciosos aos olhos de Deus, porque não falam a linguagem do eu”. Essas foram as palavras do Papa Francisco durante a homilia da Missa comemorativa pelo 3º Dia Mundial dos Pobres, celebrado nesse domingo, 17 de novembro.

Durante a homilia, que tinha como tema a citação de Lucas na qual alguém elogiava a magnificência do templo de Jerusalém e em que Jesus disse ‘não ficará pedra sobre pedra’ (Lc 21, 6), o Pontífice refletiu: “Por que profetiza que este ponto firme, nas certezas do povo de Deus, cairia?”.

Coisas penúltimas e coisas últimas

A partir desse ponto o Papa disse: “Procuremos respostas nas palavras de Jesus. Ele nos diz que quase tudo passará: quase tudo, mas não tudo”. Segundo as palavras de Jesus “a desmoronar-se, a passar são as coisas penúltimas, não as últimas: o templo, não Deus; os reinos e as vicissitudes da humanidade, não o homem”.

O Papa explicou: “Resta o que não passará jamais: o Deus vivo, infinitamente maior do que qualquer templo que Lhe construamos, e o homem, o nosso próximo”. Em seguida, Francisco falou sobre os enganos que nos fazem desviar de Jesus para não ficarmos nas “coisas penúltimas”, e afirmou: “Mas esta pressa este tudo e imediatamente não vem de Deus. Se nos afadigarmos pelo imediatamente, esqueceremos o que permanece para sempre: seguimos as nuvens que passam, e perdemos de vista o céu”. Pois, “atraídos pelo último alarido, deixamos de encontrar tempo para Deus e para o irmão que vive ao nosso lado”.

Perseverança e tentação do “eu”

Como fazer para evitar? “Como antídoto à pressa, Jesus propõe-nos hoje a cada um a perseverança”, e explicou: “A perseverança é avançar dia a dia com os olhos fixos naquilo que não passa: o Senhor e o próximo”.

Um segundo engano que nos faz desviar de Jesus, disse o Papa, “é a tentação do eu. Ora o cristão, dado que não procura o imediatamente mas o sempre, não é um discípulo do eu, mas do tu”. Porém, observou o pontífice, “e como se distingue a voz de Jesus? ‘Muitos virão em meu nome’: diz o Senhor. Mas não devemos segui-los”. Temos que encontrar os que falam a mesma linguagem de Jesus: “A linguagem do amor, a linguagem do tu. Não fala a linguagem de Jesus quem diz eu, mas quem sai do próprio eu. Todavia quantas vezes, mesmo ao fazer o bem, reina a hipocrisia do eu: faço o bem, mas para ser considerado virtuoso; dou, mas para receber em troca; ajudo, mas para ganhar a amizade daquela pessoa importante. Isto é falar a linguagem do eu”.

Recordando a todos como servir, o Papa disse: “Os pobres são preciosos aos olhos de Deus, porque não falam a linguagem do eu: não se aguentam sozinhos, com as próprias forças, precisam de quem os tome pela mão”. Então o Papa convida “quando os ouvimos bater à nossas portas, podemos receber o seu grito de ajuda como uma chamada para sair do nosso eu, aceitá-los com o mesmo olhar de amor que Deus tem por eles. Como seria bom se os pobres ocupassem no nosso coração o lugar que têm no coração de Deus!”.

Francisco finalizou sua homilia recordando mais uma vez: “Os pobres facilitam-nos o acesso ao Céu: é por isso que o sentido da fé do povo de Deus os viu como os porteiros do Céu. Já desde agora, são o nosso tesouro, o tesouro da Igreja”.

Papa Francisco almoça com os pobres

Depois da Missa o Papa rezou o Angelus com os fiéis e peregrinos reunidos na Praça São Pedro, em um domingo com muita chuva, e depois, Francisco recordou: “Hoje celebramos o Dia Mundial dos Pobres, que tem como tema as palavras do salmo ‘A esperança dos pobres jamais se frustrará’ (Sal 9, 19)”.

Em seguida, fez os agradecimentos: “A minha gratidão vai para todos aqueles que, nas dioceses e paróquias de todo o mundo, promoveram iniciativas de solidariedade para dar esperança concreta às pessoas mais desfavorecidas. Agradeço aos médicos e enfermeiros que prestaram serviço nestes dias no Posto de Saúde aqui na Praça São Pedro”. No final, o Papa pediu orações pela sua próxima viagem à Tailândia e Japão, de 19 até o dia 26 de novembro.

O Papa almoçou na Sala Paulo VI com cerca de 1.500 pessoas necessitadas, para testemunhar também a “atenção que nunca deve faltar a estes nossos irmãos e irmãs”. Ao chegar na Sala Paulo VI, o Santo Padre saudou os presentes: “Minhas boas-vindas a todos. Desejo que hoje o Senhor abençoe a todos nós: que Deus nos abençoe nesta reunião de amigos, neste almoço e também bênçãos às suas famílias. Que o Senhor abençoe a todos. Obrigado e bom almoço”.

O almoço para os pobres foi servido por 50 voluntários e colaboradores de associações de voluntariado. O menu oferecido pelo Papa era composto por: lasanha, picadinho de frango com creme de cogumelos, batata assada, sobremesa, frutas e café.

*Fonte: Site do Vatican News

Conteúdo Relacionado
X