Missa dominical recorda escolas católicas e missão de leigos

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Cerca de 80 pessoas participaram presencialmente da Missa das 10h, na Catedral Metropolitana, nesse 21º Domingo do Tempo Comum. A Eucaristia, presidida pelo Arcebispo de Juiz de Fora, Dom Gil Antônio Moreira, foi dedicada aos alunos, professores e funcionários das escolas católicas e ainda recordou as vocações leigas, celebradas nesta quarta semana do mês de agosto.

Concelebraram com o Arcebispo o Vigário Episcopal para Educação, Comunicação e Cultura, Padre Antônio Camilo de Paiva, o Administrador Paroquial da Catedral, Padre José de Anchieta Moura Lima, e o Vigário Geral da Arquidiocese, Monsenhor Luiz Carlos de Paula. Os Diáconos Permanentes Antônio Valentino da Silva Neto e Waldeci Rodrigues da Silva serviram ao altar.

Dom Gil deu a Padre Camilo a incumbência de fazer a homilia. Durante sua reflexão, o sacerdote afirmou que ensinar também é uma vocação – não só de professores, mas dos pais. “A compreensão que as ciências da educação têm, juntamente com a Igreja, é que para formar o mundo é necessário formar o homem. E esse processo de formação humana se chama educação. A capacidade e a arte de ensinar, a palavra fácil, do jeito certo, que a pessoa possa entender e assimilar, é uma vocação, é um dom”. O Vigário Episcopal para a Educação ainda ressaltou que “a fé é o algo a mais que a ciência precisa”. “A ciência ilumina o caos e a fé ilumina a ciência. E, deste modo, nós podemos ver O que sabe tudo, Deus, Aquele que é a essência de tudo e a razão, a origem e o fim de todo conhecimento”.

Padre Camilo também falou sobre o Pacto Educativo Global proposto por Papa Francisco. “É preciso que a Igreja, a escola e a família ajudem a fomentar que o grande abismo social é responsabilidade de todos. Se temos alguma pessoa que, porventura, é deseducada, é falta de toda a sociedade. Os vários tecidos da sociedade precisam se alinhar para que possamos educar o homem e a mulher na sua totalidade”. Por fim, o sacerdote apontou o papel da Pastoral da Educação Arquidiocesana. “O trabalho desta pastoral é capacitar os nossos professores e professoras, os nossos diretores, os nossos gestores de escolas, toda a comunidade educativa de uma escola a dar uma resposta, segundo o evangelho, às perguntas fundamentais da sociedade”, finalizou.

O Arcebispo de Juiz de Fora lembrou a celebração anual que reúne as famílias das escolas católicas na Catedral e disse que, em tempos de pandemia, é preciso usar a criatividade. “Nós não queríamos passar o ano sem celebrar esta missa tão importante. Nós temos 11 escolas católicas na cidade e isso é muito importante, porque é o meio que a Igreja tem para colaborar na educação da pessoa humana de forma integral”.

Dom Gil recordou, ainda, a função dos leigos cristãos na sociedade. “Primeiro, ele deve pensar na sua vocação dentro da comunidade, prestar algum serviço à sua paróquia. O segundo ambiente é no serviço, na diversão, onde a Igreja não chega. Ele tem que ser a presença da Igreja lá, sobretudo com seu testemunho de amor a Deus, ao próximo, de fidelidade à palavra de Jesus Cristo”, exortou.

Clique aqui e confira outras fotos da celebração.

Veja Também