Francisco se despede de Quebec: último dia da sua peregrinação

Encontro do Papa Francisco com uma delegação de indígenas em Quebec / Foto: Reprodução Youtube Vatican News
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

As realidades indígenas que o Papa Francisco pôde conhecer nesta viagem ao Canadá sempre o acompanharão. Foi o que o próprio Pontífice disse ao se encontrar, nesta sexta-feira (29), com uma delegação de indígenas em Quebec, no seu último dia de viagem ao Canadá.

O encontro aconteceu no arcebispado de Quebec, após o encontro privado de Francisco com membros da Companhia de Jesus no mesmo local. O Santo Padre reiterou, em seu discurso aos indígenas, o lema da viagem – “Caminhar juntos”, que caracteriza muitos momentos de sua visita ao país.

Para além de ter ido ao país como amigo, irmão e peregrino – apesar das limitações físicas -, o Papa ressaltou, uma vez mais, o caráter penitencial que marca esta viagem. “Vim com espírito penitencial, para vos manifestar o pesar que sinto no coração pelo mal que não poucos católicos vos causaram apoiando políticas opressivas e injustas aplicadas a vós”.

O desejo do Papa é propiciar mais passos em frente, prosseguindo na busca da verdade e na promoção de cura e reconciliação. “Que se continue para diante semeando esperança para as futuras gerações de indígenas e não indígenas que desejam viver juntos, fraternalmente, em harmonia”.

Enriquecimento pessoal

Francisco disse ainda que volta para casa muito mais enriquecido, pois leva no coração o “tesouro incomparável” feito de pessoas e populações que o marcaram.

“Verdadeiramente posso afirmar que, enquanto vos visitava, as vossas realidades, as realidades indígenas desta terra, visitaram o meu íntimo: entraram em mim e sempre me acompanharão. Ouso dizer – se mo permitis – que de certo modo, agora, também eu me sinto parte da vossa família e disso me sinto honrado”.

O exemplo de três mulheres

Ainda em seu discurso, o Santo Padre citou o exemplo de três mulheres, confiando a elas tudo o que foi vivido nesses dias. São elas Santa Ana, a Virgem Maria e Santa Catarina Tekakwitha.

“Estas mulheres podem ajudar a compor, voltar a tecer uma reconciliação que garanta os direitos dos mais vulneráveis e saiba olhar a história sem rancores nem cancelamentos. Duas delas, a Santíssima Virgem Maria e Santa Catarina, receberam de Deus um projeto de vida e, sem interpelar homem algum, deram o seu «sim» com coragem”.

Francisco destacou que essas três mulheres abriram o caminho com mansidão e firmeza, cumprindo aquilo para que foram chamadas. “Que Elas abençoem o nosso caminho comum, intercedam por nós e por esta grande obra de cura e reconciliação tão agradável a Deus”.

Fonte: Site Vatican News

Veja Também