Em breve, Santo Irineu será declarado Doutor da Igreja

*Santo Irineu, bispo de Lyon
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Um passo em frente para o reconhecimento do título de Doutor da Igreja universal de Santo Irineu de Lyon. Na manhã dessa quinta-feira (20), encontrando-se com o Papa Francisco, o prefeito da Congregação para as Causas dos Santos, cardeal Marcello Semeraro, propôs ao Santo Padre acolher o parecer afirmativo da sessão plenária dos cardeais e bispos membros do Dicastério, sobre a atribuição do título ao bispo de Lyon do século II.

Francisco já havia tratado do assunto em 7 de outubro do ano passado, ao encontrar o Grupo Misto de trabalho ortodoxo-católico Santo Irineu: “Com prazer – havia dito – declararei seu patrono Doutor da Igreja”. Naquela ocasião, o Papa o havia definido como “uma grande ponte espiritual e teológica entre cristãos orientais e ocidentais”, sublinhando que seu próprio nome “traz impressa a palavra paz”.

O primeiro grande teólogo da Igreja

Apóstolo junto aos povos celtas e germânicos, foi um defensor da doutrina. Santo Irineu de Lyon enfrentou a heresia representada pelo nascente gnosticismo no âmbito cristão e a disseminação entre os pagãos da filosofia do neoplatonismo, que apresentava algumas afinidades com o cristianismo, abrindo-se ao diálogo e acolhendo dela alguns princípios.

Santo Irineu pode ser considerado o primeiro grande teólogo da Igreja. No centro de sua reflexão está a “Regra de fé” e sua transmissão, ou seja, a questão da Tradição apostólica. Os Apóstolos ensinaram uma fé simples, alicerçada na revelação de Deus, defendia Irineu. Não há uma doutrina secreta por trás do Credo comum da Igreja, não há um cristianismo superior para intelectuais. Verdade e a salvação não são privilégio e monopólio de poucos, mas todos podem alcançá-las.

Todas as Igrejas locais – afirmava o bispo de Lyon – devem se referir à Igreja de Roma. De fato, ele escreve: “Para esta Igreja, devido ao seu peculiar principado, é necessário que convirja cada Igreja, isto é, os fiéis espalhados por toda a parte, pois nela a tradição dos Apóstolos foi sempre conservada”.

Permanecem duas obras do bispo de Lyon: os cinco livros “Contra as heresias” e a “Exposição da pregação apostólica”, considerado o mais antigo catecismo da doutrina cristã. O objetivo de seus escritos é defender a verdadeira doutrina e expor com clareza as verdades da fé, mas nas suas obras também transparece o ‘bom pastor’, preocupado com aqueles que estão perdidos.

A vida de Santo Irineu

Santo Irineu nasceu na Ásia Menor, provavelmente em Esmirna, hoje Izmir na Turquia, entre 130 e 140 de uma família cristã de origem grega. Ainda jovem, conhece São Policarpo, bispo daquela cidade e discípulo de São João.

Por volta do ano 170, se transferiu para a Gália (antiga França), para anunciar o Evangelho àquelas populações. Após a trágica morte na prisão de Dom Patinus em 177, Irineu foi chamado para sucedê-lo à frente da cidade de Lyon e a partir de então se dedicou totalmente ao ministério pastoral. Sua atuação encerra em 202, quando foi martirizado durante o massacre de cristãos de Lyon sob o comando do imperador Lúcio Sétimo Severo. Irineu foi sepultado na Igreja de São João, que mais tarde foi chamada de Santo Irineu. Em 1562 seu túmulo foi destruído e seus restos mortais dispersos pelos huguenotes durante as guerras de religião.

Três novos Veneráveis

No encontro com o cardeal Marcello Semeraro, o Papa Francisco autorizou a Congregação para as Causas dos Santos a promulgar os decretos relativos ao reconhecimento das virtudes heroicas de três Servos de Deus, todos italianos, que agora se tornam Veneráveis. São eles: Dom Francesco Saverio Toppi, irmã Maria Teresa De Vicenti e irmã Gabriella Borgarino.

*Fonte: Site do Vatican News

Veja Também