Dom Paulo Cezar toma posse como novo arcebispo de Brasília

0

Dom Paulo Cezar Costa tomou posse como quinto arcebispo de Brasília, no último sábado, 12 de dezembro, durante uma Missa celebrada na Catedral Metropolitana de Nossa Senhora Aparecida, no centro da Capital Federal. A celebração, restrita a membros do clero e convidados, contou com a participação do arcebispo de Belo Horizonte (MG) e presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Walmor Oliveira de Azevedo, e bispos de várias partes do Brasil.

Bispos de estados como Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Goiás e Piauí participaram da celebração de posse | Foto: Arquidiocese de Brasília

Na celebração da festa de Nossa Senhora de Guadalupe, padroeira da América Latina, dom Paulo Cezar desejou imitar a mãe de Jesus que, logo após a anunciação, corre apressadamente para ajudar sua prima Isabel. “Maria já tinha, na anunciação, colocado toda a sua existência como serva à disposição de Deus. A fé faz caminhar apressadamente. O caminho da fé liberta a existência. Maria representa os pobres de Iahweh, que não têm nenhuma outra riqueza a não ser Deus, e por isso se confiam totalmente ao seu amor misericordioso”, afirmou durante sua reflexão na homilia.

Modelo para a Evangelização

Mulher orante e trabalhadora de Nazaré, Nossa Senhora da Prontidão que sai apressadamente da sua povoação para ir ajudar os outros. Recordando o Papa Francisco, dom Paulo aponta Maria como modelo para a evangelização, a partir da sua “dinâmica de Justiça e ternura, de contemplação e de caminho para os outros”.

“A Igreja, mãe da ternura, caminha sempre com Maria, porque a sua dinâmica é caminhar. A intimidade da Igreja com Jesus é uma intimidade itinerante, a comunhão reveste essencialmente a forma de comunhão missionária, por isso a Igreja sai para anunciar o evangelho a todos e todas”, situou.

Nessa perspectiva, dom Paulo reforçou que uma Igreja evangelizadora e missionária se faz com a doação de todos e todas: bispos, padres, religiosos, religiosas, diáconos, novas comunidades, seminaristas, leigos e leigas. “Quando todos, como discípulos missionários, se colocam a caminho na evangelização, na missão, a Igreja vai se tornando mais bonita. É juntos, amados e amadas de Deus, que continuaremos a construir uma Igreja missionária, uma Igreja evangelizadora, que nós faremos presentes nos centros de decisões dessa cidade, mas também nas periferias humanas e existenciais”.

Dom Paulo ainda motivou todas as forças vivas da arquidiocese de Brasília a dirigirem-se, como Maria, apressadamente, “pois a pressa nos indica a busca de realizar a vontade de Deus. E a igreja existe para realizar a vontade de Deus. Não é outra a sua missão”.

“Sonho que juntos construamos uma Igreja que seja mais Maria, que corra com mais leveza, porque é mais evangelho e menos estruturas, é mais ação e menos palavra. É mais anúncio e menos reuniões. Sonho com uma Igreja mais livre, que dialoga com todos, mas tem sempre os olhos fixos em Jesus Cristo, porque é temente somente a Deus e amiga do mundo”.

Oração e reconhecimento

Ainda no início da celebração, o bispo auxiliar dom José Aparecido Gonçalves de Almeida, que desempenhou a função de administrador diocesano no período de sede vacante, deu as boas-vindas a dom Paulo e recordou o tempo de espera e oração pelo envio de um novo arcebispo.

As orações seguiram também após a notícia da nomeação. “A partir daquele dia, começamos a rezar para que Deus o cobrisse de sabedoria, daquela sabedoria, como diz a escritura, que partilha do trono de Deus, para guiar a Igreja de Brasília, o povo que aqui vive e peregrina rumo aos céus. Pedimos também que fizesse resplandecer na sua pessoa a santidade sacerdotal, o zelo apostólico, a solicitude pastoral para que tudo suporte pelos eleitos que peregrinam no coração do Planalto Central”, contou dom Aparecido.

O bispo manifestou afeto e “sincero e profundo reconhecimento” ao Papa Francisco pelo envio do novo arcebispo e dirigiu-se a dom Paulo: “Tenho certeza que, juntamente com o senhor, estaremos em profunda comunhão com o Santo Padre”.

Votos de dom Walmor

O presidente da CNBB, representando os bispos presentes, recordou os 60 anos da jovem arquidiocese de Brasília e afirmou que um novo ciclo se abre com a presença de dom Paulo Cezar Costa. “Seja um ciclo como um broto de esperança, lembrando nesse tempo do Advento a poesia do profeta Isaías”.

*Fonte: Site da CNBB

Conteúdo Relacionado
X