Começou o 1º Congresso Internacional de Educação Católica

0

Centenas de pessoas participaram da abertura do 1º Congresso Internacional de Educação Católica. O evento promovido pela Arquidiocese de Juiz de Fora, reúne quase 500 pessoas entre os dias 1º e 5 de novembro, no auditório da Cúria Metropolitana.

Os congressistas começaram a chegar por volta de 18h30. Uma estrutura foi montada no estacionamento do Edifício Christus Lumen Gentium para acolher os participantes. Durante o credenciamento, todos receberam um kit contendo uma mochila personalizada, caderneta, canetas e um material complementar para leitura. Às 19h, os jornalistas e cerimonialistas do Congresso, Vinnicius Moraes, do Colégio dos Jesuítas e Ana Maria Roberto, secretária do Centro de Pastoral , iniciaram o evento.

O Arcebispo Metropolitano de Juiz de Fora, Dom Gil Antônio Moreira, fez a abertura oficial do Congresso. O Arcebispo continua atento ao pedido dos pais e educadores para uma educação de qualidade “Este é o primeiro Congresso de Educação Católica que fazemos na Arquidiocese de Juiz de Fora. Ele nasce de uma preocupação nossa, de educadores e pais de alunos de nossas escolas católicas. Nós desejamos que as escolas cumpram seu ideal de serem um local de formação integral dos alunos, sobretudo da pessoa humana na parte física, intelectual, moral, social e espiritual.

O pastor falou ainda sobre a alegria em ter Dom Vincenzo Zani em nossa Arquidiocese, “uma pessoa competentíssima, que está neste trabalho há muitos anos, desde o Papa Bento e agora com o Papa Francisco, eu o conheço a muito tempo”.

Dom Vincenzo Zani falou sobre a importância de um congresso voltado para a Educação na sociedade atual. “Este evento para nós é muito positivo. Estão se multiplicando no mundo eventos como este sobre a educação e isso é maravilhoso! É ideal que nas arquidioceses se façam encontros sobre Catequese e formação em geral, mas o tema da educação normalmente se torna secundário, porém ele é fundamental, pois se trata da formação de novas gerações de jovens para o nosso futuro. ”

O Secretário para a Educação Católica falou também sobre as principais preocupações da Igreja com a educação no mundo. “Existem três grandes desafios para a educação, o primeiro é para você desenvolver um pensamento, se pensa pouco e se pensa mal, educar é pensar.

A segunda é que para educar precisamos ter uma ideia precisa sobre o que é o Homem, sem esta ideia não se pode educar. E a terceira é aquela que o Papa Paulo VI dizia, e o Papa Francisco fala muito, sobre a falta de fraternidade. E isso é fundamental, pois não se pode formar um Homem sem que ele tenha respeito pelo próximo, são pontos graves que precisamos tratar sobre a educação.

Mesmo em meio a tantas mudanças atuais na sociedade, Dom Vincenzo reforça que a Igreja está atenta e atuante, aos apelos da educação em todo o mundo. “Antes de tudo, em todo o mundo as escolas e universidades Católicas estão crescendo, sobretudo na Ásia e na África. Isso já é uma resposta sobre os desafios do mundo atual, que a igreja tem trazido através da educação na humanidade”

A primeira palestra começou por volta de 20h30. Monsenhor Rafael Capelato abordou o tema “Metodologia historiográfica”. “O que significa metodologia? É o caminho que se percorre para se atingir o resultado da produção do conhecimento. É preciso que exista disciplina, procedimento e organização para se chegar a um objetivo. Então, quando se deseja escrever sobre a História em geral, mas sobretudo a História da igreja, é preciso partir das fontes. Quais são as nossas fontes e suas organizações? A importância disso está que, se produzindo de forma metodológica a história, se toca a identidade. Se não sabermos de onde viemos não saberemos para onde ir.

Monsenhor Rafael reforça aos educadores, a importância em ler e pesquisar em bibliotecas e diferentes fontes de conhecimento, sobre os mais diferentes temas que são abordados nas escolas. “Eu recomendo, antes de tudo, nunca terem em mãos apenas um autor. Sempre buscar e analisar diversos autores. Depois, optar sempre pelas fontes da História, as fontes que chamamos de primárias, as diretas, de arquivos, e também as que vão além dos documentos manuscritos como as fontes artísticas, publicadas, monumentais e arquitetônicas. Tudo isso fala do nosso rastro deixado na história.

Neste sábado as atividades terão início às 7h45, com uma Missa pelos fiéis falecidos.

Conteúdo Relacionado
X