Catequese do Papa: é preciso pregar o evangelho com coragem e liberdade

Foto: Arquivo Vatican Media

O Papa Francisco, na manhã nublada desta quarta-feira, 25 de outubro, deu continuidade ao ciclo de catequeses sobre o zelo apostólico. O Pontífice abordou em sua reflexão o testemunho de dois irmãos muito famosos no Oriente cristão, a ponto de serem chamados de “apóstolos dos eslavos”: os Santos Cirilo e Metódio.

Nascidos na Grécia no século IX, em uma família aristocrática, renunciaram à carreira política para se dedicarem à vida monástica. Os irmãos foram enviados como missionários à Grande Morávia, que na época incluía vários povos, em parte já evangelizados, mas entre os quais ainda sobreviviam muitos costumes e tradições pagãs. O príncipe da época solicitou um mestre que explicasse a fé cristã na língua deles.

A importância de evangelizar na língua materna

“O primeiro empenho de Cirilo e Metódio foi estudar profundamente a cultura daqueles povos”, afirmou Francisco, “e para anunciar o Evangelho e rezar com aquele povo, foi preciso um instrumento próprio, adequado e específico, resultando na criação do alfabeto glagolítico. Nesta língua, Cirilo traduziu a Bíblia e textos litúrgicos. A partir desse ato, as pessoas sentiram que aquela fé cristã já não era mais ‘estrangeira’, mas tornou-se a sua fé, falada na língua materna. Pensem: dois monges gregos que dão um alfabeto aos Eslavos. Foi essa abertura de coração que enraizou o Evangelho entre eles”.

“Naquela época, alguns latinos de mente fechada”, destacou o Papa, “diziam que Deus só poderia ser louvado nas três línguas escritas na cruz: hebraico, grego e latim. Mas Cirilo respondeu com força: Deus quer que cada povo o louve na própria língua. Juntamente com seu irmão Metódio, recorreram ao Papa, que aprovou seus textos litúrgicos em língua eslava, os colocou sobre o altar da igreja de Santa Maria Maior e cantou com eles os louvores do Senhor segundo esses livros”.

Unidade, inculturação e liberdade

Francisco recordou que São João Paulo II, ao contemplar o testemunho desses dois evangelizadores, os escolheu como co-patronos da Europa e escreveu a Encíclica “Slavorum Apostoli”, na qual destacou três aspectos importantes.

“O primeiro ponto”, ressaltou o Papa, “é o da unidade: naquela época, gregos, o Papa e eslavos viviam uma cristandade indivisa na Europa, que colaborava para evangelizar. Um segundo aspecto importante é o da inculturação”, continuou Francisco. “A evangelização da cultura e a inculturação mostram que esses pontos estão intimamente ligados. Não se pode pregar um Evangelho de modo abstrato, destilado: o Evangelho deve ser inculturado e também é uma expressão da cultura”.

O último aspecto, sublinhou, é o da liberdade: “na pregação, precisamos de liberdade, mas a liberdade sempre requer coragem. Uma pessoa é livre quanto mais corajosa for, sem deixar-se acorrentar por tantas coisas que lhe tiram a liberdade”.

“Irmãos e irmãs, peçamos aos Santos Cirilo e Metódio, apóstolos dos eslavos, para que sejamos instrumentos da liberdade na caridade na vida do nosso próximo. Sejamos criativos, persistentes e humildes, através da oração e do serviço”, concluiu o Papa.

Fonte: Site Vatican News

Veja Também