Igreja do Brasil dedica mês de agosto às vocações

0

A Igreja no Brasil celebra, todos os anos, durante o mês de agosto, o Mês Vocacional. Este ano, em específico, a inspiração principal está em sintonia com a Exortação Pós-Sinodal do Papa Francisco, a Christus Vivit, apresentada aos jovens e que traz orientações pastorais para toda a Igreja.

Com o tema “Amados e Chamados por Deus” e o lema “És precioso aos meus olhos. Eu te amo” (Is 43,1-5), o mês temático será celebrado de forma especial, principalmente por conta da pandemia. “Neste ano de 2020, a primeira verdade é que Deus nos ama, então isso está muito presente no tema e no lema. A primeira verdade é que Deus nos ama e que nunca deveremos duvidar disso, apesar de que possa nos acontecer na vida momentos difíceis. Em qualquer circunstância somos amados infinitamente, então o mês vocacional quer de algum modo enfatizar esta vocação: fomos chamados a amar, porque fomos antes de tudo amados”, afirma o bispo auxiliar de Manaus, dom José Albuquerque, e referencial da Pastoral Vocacional.

Instituída na 19ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) no ano de 1981, a celebração foi criada com o objetivo principal de conscientizar as comunidades da responsabilidade que compartilham no processo vocacional. Desde então, cada domingo do mês de agosto é dedicado à celebração de uma determinada vocação.

No primeiro, celebra-se o sacerdócio e os ministérios ordenados; no segundo, o matrimônio junto à Semana da Família; no terceiro, a vida consagrada; e por fim, no quarto, a vocação dos leigos. Nos anos em que o mês de agosto possui cinco domingos, como 2020, é celebrado, no último deles, o dia do catequista.

Subsídio

Foi justamente pensando em formas de celebrar de forma concreta o Mês Vocacional e oferecer apoio aos animadores vocacionais que a Comissão para os Ministérios Ordenados e a Vida Consagrada da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) elaborou o subsídio “Amados e chamados por Deus”.

No subsídio, há três propostas de terço vocacional, que poderão ser recitados em família ou em grupo, e três opções de “eventos” ou iniciativas que poderão ser organizados na comunidade: um encontro vocacional para despertar vocações; uma vigília vocacional; e uma leitura orante vocacional.

Saiba como celebrar cada domingo do Mês Vocacional:

1º domingo – Vocações sacerdotais – Dia do padre

Na primeira semana, a celebração abre uma reflexão sobre a importância da vocação sacerdotal para a Igreja, rezando a Deus para que envie padres capacitados para cuidar das milhares de comunidades espalhadas pelo Brasil. O padre é o representante de Cristo dentro da comunidade, um pai espiritual para todos sob sua responsabilidade. Ele deve buscar a edificação e o crescimento da comunidade em que serve, tornando-a mais atuante e fundamentada na vivência do Evangelho.

2º domingo – Vocação familiar – Dia dos pais

Neste domingo, é celebrada a vocação da família na pessoa do pai, uma vez que, seu papel de educador em parceria com a mãe, é um dos pilares para filhos bem formados e conscientes do que significa ser cristão e cidadão. Em tempos de violência e perda de valores, a valorização da família é fundamental para a sociedade como um todo. Cabe aos pais, com amor, compaixão e fé, fazer do seu lar um ambiente que vive o caminho de verdade, justiça e paz de Jesus Cristo.

3º domingo – Vocações religiosas – Dia da vida religiosa

No terceiro domingo de agosto, a Igreja lembra dos homens e mulheres religiosos que consagram suas vidas a Deus e ao próximo. Desta vocação, nascem carismas e atuações enriquecedoras por meio de pessoas que buscam viver perseverantes em seus votos de castidade, obediência e pobreza. São símbolos do amor e da entrega que o ser humano é capaz de fazer ao Senhor!

4º domingo – Vocações leigas – Dia dos ministérios leigos

Neste dia, celebra-se a vocação de todos os leigos que, entre responsabilidades com a família e um trabalho formal, dedicam suas vidas para os serviços pastorais e missionários. Seja na catequese, liturgia, ministério de música, ações de caridade ou nas diversas pastorais existentes, os leigos são aqueles que têm consciência do chamado de Deus e participam ativamente da Igreja, contribuindo para a caminhada e o crescimento da comunidade.

*Com informações dos sites da CNBB e da Editoria Ave Maria

Conteúdo Relacionado
X