Há 90 anos, Brasil ganhava padroeira: Nossa Senhora Aparecida

Procissão com a imagem da padroeira ladeada Por Dom Duarte, Dom Masela e Cônego Rezende /Foto: Acervo CDM – Santuário Nacional via Testemunho de Fé
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Completam-se, nesta segunda-feira, 31, 90 anos da proclamação deNossa Senhora Aparecida como Rainha e Padroeira do Brasil. O prefeito de igreja do Santuário Nacional de Aparecida, Padre Eduardo Ribeiro, afirma que este ato, ocorrido em 1931, veio para reafirmar aquilo que os brasileiros já tinham no coração: a devoção e amor a Nossa Senhora. A consagração, de acordo com o sacerdote, reforçou e reafirmou ainda mais a devoção a Nossa Senhora Aparecida. “Este amor e devoção só vem aumentando”.

Arquidioceses em festa

A Arquidiocese de São Sebastião no Rio de Janeiro e Arquidiocese de Aparecida no interior de São Paulo fazem parte deste momento histórico. Ambas vivem nesta segunda-feira, 31, uma programação especial.

Neste domingo, 30, o arcebispo do Rio de Janeiro, Cardeal Orani Tempesta presidiu uma celebração eucarística dentro da programação da comemoração dos 90 anos desta proclamação na Arquidiocese de Aparecida.

Hoje, uma missa às 9h recorda a data. Na sequência, uma réplica da imagem original de Aparecida será deslocada até o Rio de Janeiro onde a festa terá continuidade.

O ato recorda a peregrinação da imagem original que foi levada até a cidade, em 1931, para a solenidade que reuniu cerca de um milhão de pessoas. Aquela foi a primeira vez que a imagem de Aparecida havia saído do santuário.

Padre Eduardo Ribeiro afirma que a imagem percorrerá o centro do Rio de Janeiro. Uma Missa em memória da data acontecerá na mesma Igreja onde a Virgem de Aparecida foi proclamada padroeira do Brasil.

O pároco e coordenador de pastoral da Arquidiocese do Rio de Janeiro, cônego Cláudio Santos, recorda: “Foi aqui, no Rio de Janeiro, que Nossa Senhora foi proclamada padroeira do Brasil”.

Em 31 de maio de 1931, ocorreu a peregrinação da imagem de Nossa Senhora Aparecida e também uma missa campal em frente à Igreja de São Francisco de Paula.

Na época, a celebração foi presidida pelo arcebispo do Rio de Janeiro, Cardeal Sebastião Leme. Após a cerimônia, a imagem de Nossa Senhora Aparecida saiu em procissão e percorreu as ruas da cidade.

Programação

A programação especial para esta segunda-feira no Rio de Janeiro começa na parte da tarde. Às 15h, a réplica da imagem da padroeira do Brasil chega a cidade. Ela será encaminhada para a Capela de Nossa Senhora Aparecida, na Central do Brasil, na capital do estado.

Depois, às 16h, na Igreja Nossa Senhora do Carmo da Antiga Sé, no centro do Rio de Janeiro, o canto litúrgico Te Deum.

Em seguida, acontecerá, às 17h, a inauguração da exposição de fotos dos 90 anos da proclamação na Igreja São Francisco de Paula, também no centro da cidade.

No mesmo local, uma Missa em ação de graças será celebrada às 18h. Por fim, a Orquestra da Ação Social pela música no Brasil (ASMB) fará uma apresentação também na Igreja São Francisco de Paula.

Festividade em meio ao quinquênio jubilar

A festividade acontece em meio ao quinquênio jubilar da Arquidiocese de São Sebastião do Rio de Janeiro. São cinco anos de preparação para importantes celebrações que acontecerão em 2025 e 2026.

Em 2025, a Arquidiocese comemora 450 anos como prelazia e, em 2026, 350 anos como diocese do Rio de Janeiro.

“Cada momento celebrativo e marco histórico, como esse da proclamação de Nossa Senhora Aparecida como Rainha e Padroeira do Brasil, mostra essa presença da Igreja que representa a certeza da fé e da esperança”, sublinha cônego Cláudio.

Relação entre as arquidioceses

Padre Cláudio conta que a relação entre as arquidioceses é antiga. Em 1931, a Arquidiocese de São Sebastião do Rio Janeiro era responsável por todas as regiões de evangelização do centro do Brasil até a região sul. Isso incluía a região do Vale do Paraíba.

Após o encontro de Nossa Senhora no Rio Paraíba e sua crescente devoção, o cardeal Leme solicitou ao Papa Pio XI para que Nossa Senhora Aparecida fosse proclamada Rainha e Padroeira do Brasil.

Houve então, em 16 de julho de 1930, a autorização do Papa Pio XI, por meio de um decreto e posteriormente a celebração oficial no Rio de Janeiro.

Esses acontecimentos, recorda o cônego, mostram essa relação da Arquidiocese do Rio de Janeiro com a Arquidiocese de Aparecida.

Significado

Multidão na Esplanada do Castelo na proclamação da Padroeira do Brasil /Foto: Acervo CDM – Santuário Nacional via Testemunho de Fé

O ato de 1931 mostra a fidelidade de Deus na vida dos brasileiros, afirma padre Cláudio. “O povo brasileiro, consecutivamente, está consagrado a Nossa Senhora Aparecida também”, frisa.

O presbítero destaca que o povo brasileiro tem um carinho muito grande por Nossa Senhora Aparecida. “Não só porque ela é a Mãe de Deus, mas porque também ela aqui apareceu”.

Para padre Eduardo, celebrar este marco histórico para a Igreja no Brasil é celebrar que todos temos uma mãe. “A mãe de Jesus é a nossa mãe, devemos reafirmar sempre isso”, sublinha.

Esses 90 anos da proclamação de Nossa Senhora Aparecida como padroeira do Brasil convidam todos os católicos a viverem a comunhão em toda a igreja. “Temos uma única mãe, a mãe de Jesus. É importante que todo Brasil relembre e celebre este dia recordando que Nossa Senhora é a nossa padroeira!”.

Fonte: Site Notícias Canção Nova

Veja Também