Comissão Arquidiocesana para o processo de Beatificação e Canonização de Monsenhor Marciano é criada

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

Durante as comemorações dos 90 anos da Diocese de Juiz de Fora, foi anunciada a composição da Comissão Arquidiocesana para o processo de Beatificação e Canonização de Monsenhor Marciano.

Em 2011 o arcebispo da Arquidiocese de Juiz de Fora, Dom Gil Antônio Moreira, concedeu autorização para a abertura dos trabalhos preliminares para o processo de beatificação e canonização de Monsenhor Marciano. Uma Comissão foi criada, organizou os dados referentes à vida do padre e os enviou para a Congregação sobre a causa dos Santos, em Roma. Há aproximadamente dois meses, a Santa Sé comunicou que a causa pode ser levada a efeito, ou seja, que a comissão pode prosseguir os trabalhos de estudo e divulgação dos fatos referentes a Monsenhor Marciano, inclusive de graças e milagres que ele teria realizado.

Segundo o Vigário geral da Arquidiocese e membro da comissão, Monsenhor Luiz Carlos a partir de agora a comissão irá trabalhar para buscar mais testemunhos sobre a vida de Monsenhor Marciano e seus feitos em favor dos irmãos e irmãs e divulgar com muito ardor este verdadeiro servo de Deus.

Sobre a vida de Monsenhor Marciano, Mons. Luiz Carlos ressalta que o Monsenhor era membro do clero e Pároco de Santa Rita de Jacutinga quando a Diocese de Juiz de Fora foi criada. “A Diocese começou com a presença desse líder espiritual modelar no seu seio. Nas origens de nossa diocese encontramos um grande exemplo de bondade e de amor. Ele soube unir fé e vida, oração e ação, vida religiosa e prática da cidadania, virtudes tão importantes na vida dos cristãos.”

Monsenhor Luiz Carlos afirma estar muito feliz e disposto a ajudar no que for preciso. “Sendo nascido em Santa Rita de Jacutinga e também Pároco daquela Paróquia por dez anos, sempre tive muito contato com tudo o que se refere ao Monsenhor Marciano”, finaliza.

Lançamento de livro biográfico

Vale destacar que, no dia 16 de novembro, foi lançado em Santa Rita de Jacutinga, a segunda edição do livro “Vida e Obra de Monsenhor Marciano Bernardes da Fonseca – ‘O Padrinho Vigário’”. A obra, organizada pelo vigário geral da Arquidiocese, Monsenhor Luiz Carlos de Paula, e Fátima Helena de Araújo, conta com a colaboração de escritos feitos por José Maria de Araújo – já falecido -, que conviveu com Monsenhor Marciano. Os dados foram doados à Arquidiocese de Juiz de Fora. 

Também no dia 17 de novembro foi realizada uma peregrinação à Santa Rita de Jacutinga, cidade onde trabalhou por 59 anos o “Padrinho Vigário”. A viagem foi uma maneira de comemorar a aprovação do processo de beatificação e canonização do presbítero mineiro na Congregação da Causa dos Santos, no Vaticano.

Conheça Monsenhor Marciano, o “Padrinho Vigário”

*Colaboração: Monsenhor Luiz Carlos de Paula

Nascido em Desterro do Melo, então município de Barbacena, no dia 17 de novembro de 1859, Marciano Bernardes da Fonseca foi ordenado sacerdote em 1887. Em julho do mesmo ano foi designado pároco da Paróquia Santa Rita de Cássia, em Santa Rita de Jacutinga, onde permaneceu até o seu falecimento, no dia 23 de junho de 1946.

Homem de Deus e homem do povo, líder espiritual exemplar. Muito trabalhou para a emancipação do município de Santa Rita de Jacutinga, o que ocorreu no dia 1º de janeiro de 1944. Também é importante ressaltar a preocupação deste homem de Deus para com os pobres e carentes, o que o levou a construir a Santa Casa de Misericórdia da cidade, inaugurada em 16 de novembro de 1914.   

Monsenhor Marciano era pessoa da mais alta confiança do então Bispo de Juiz de Fora, Dom Justino José de Santana que, durante suas viagens, confiava a ele o governo do bispado.

Em 2011, o arcebispo da Arquidiocese de Juiz de Fora, Dom Gil Antônio Moreira, concedeu autorização para a abertura dos trabalhos preliminares para o processo de beatificação e canonização de Monsenhor Marciano. Uma Comissão foi criada, organizou os dados referentes à vida do padre e os enviou para a Congregação sobre a causa dos Santos, em Roma. No último mês, a Santa Sé comunicou que a causa pode ser levada a efeito, ou seja, que podem prosseguir os trabalhos de estudo e divulgação dos fatos referentes a Monsenhor Marciano, inclusive de graças e milagres que ele teria realizado.

Confira abaixo os nomes dos membros da Comissão Consultiva Arquidiocesana para o Processo de Beatificação e Canonização de Monsenhor Marciano Bernardes da Fonseca:

a) Membros de Pleno Direito:

Presidente: Dom Gil Antônio Moreira

Postulador: Dr. Waldery Hilgeman

Delegado Arquiepiscopal para a promoção do Processo: Mons. Luiz Carlos de Paula

b) Outros Membros:

Mons. Miguel Falabella de Castro

Mons. Hernani de Oliveira

Pe. Luiz Alberto Duque de Lima

Pe. Márcio Aurélio Neves

Pe. Eduardo Almeida Rocha

Pe. Luciano Atanázio

Pe. Geraldo Dôndici Vieira

Pe. Éder Luiz Pereira

Fátima Helena de Oliveira Araújo e Araújo

Rosângela Alves Gabriel de Mello

Dr. Leon Gilson Alvim

Outras Informações:

Assessoria de Comunicação Arquidiocese Juiz de Fora – (32) 3229-5450

 

Veja Também