Plano Nacional de Integração para migrantes e refugiados venezuelanos é lançado

0

Com o apoio da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), a Diocese de Roraima, juntamente com Cáritas Diocesana de Roraima, Cáritas Brasileira, Instituto de Migrações e Direitos Humanos (IMDH), Serviço Pastoral do Migrante (SPM), Serviço Jesuíta para Migrantes e Refugiados (SJMR) e entidades parceiras lançaram na manhã de terça-feira, (2), em Boa Vista (RR), o Plano Nacional de Integração Caminhos de Solidariedade: Brasil & Venezuela.

Para o bispo de Roraima e presidente da Cáritas Roraima, Dom Mario Antônio da Silva, a capital Boa Vista é ponto de partida do Plano que pretende alcançar cidades do país inteiro e também na Venezuela, sobretudo as cidades de onde o fluxo de pessoas que vêm para o Brasil é maior. “Esse lançamento não é um evento, mas um processo. Queremos que se prolongue e se amplie por todo o Brasil. Não é uma bolha, pois tem incidência e abrangência, também, na Venezuela”, afirma.

Segundo Dom Mário, o Plano encoraja a diocese e todas as entidades que estão atuando no serviço aos migrantes e refugiados a continuarem no atendimento a essa população, mas também sem esquecer os brasileiros que necessitam de especial atenção. “É possível com a solidariedade e empenho, fazer com que o plano de integração atinja o coração das pessoas na acolhida aos migrantes em todo o Brasil”, disse.

O bispo também agradeceu a CNBB pela destinação de 40% Fundo Nacional de Solidariedade (FNS) – valor arrecadado na Campanha da Fraternidade deste ano – para a implementação do Plano Caminhos de Solidariedade. “Deus se preocupa com a felicidade daqueles que lutam e defendem a vida. Preocupemo-nos em defender a vida em todas as suas necessidades”, lembra Dom Mário.

O projeto Caminhos de Solidariedade: Brasil & Venezuela pretende alcançar cerca de 90 Arquidioceses e Dioceses. Nesta proposta, as Igrejas serão convidadas a acolher migrantes e refugiados venezuelanos em seus territórios por meio de ações solidárias que visam promover, além da acolhida, a proteção, promoção e integração dos migrantes no Brasil.

Conforme mencionou Dom Mário, o Plano visa, também, a articulação com a Igreja Católica na Venezuela. Segundo a proposta, haverá uma missão no país vizinho para conhecer a realidade local, para participação dos brasileiros na organização e inauguração de um centro de apoio ao migrante em Santa Elena de Uairén, cidade venezuelana que faz fronteira com o Brasil, e a produção de material de comunicação para oferecer informações sobre documentações que o Brasil pede para a permanência no país, bem como informações sobre as distâncias entre as cidades Brasileiras.

Participaram do lançamento do Plano representantes do Serviço Pastoral do Migrante (SPM), Cáritas Brasileira, Instituto de Migrações e Direitos Humanos (IMDH), Serviço Jesuíta para Migrantes e Refugiados (SJMR), Organização Internacional para as Migrações (OIM), Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, (ACNUR), professores e pesquisadores da Universidade Federal de Roraima (UFRR), Fraternidade sem Fronteiras, Organismos da Igreja Católica, Congregações Religiosas e Agentes de Pastoral.

Histórico

O Projeto nasceu a partir da visita da Comissão Episcopal Especial para o Enfrentamento ao Tráfico Humano da CNBB à Diocese de Roraima, em março deste ano, e se concretizou após uma oficina de planejamento, organizada pela Cáritas Brasileira, com a participação das entidades envolvidas no Plano, em julho deste ano, em Brasília (DF).

Diante da crise migratória no mundo, a orientação do Papa Francisco para respostas efetivas da Igreja está pautada nas articulações em torno de quatro verbos que encontram seus fundamentos na Doutrina Social da Igreja: acolher, proteger, promover e integrar.

*Por: Irmã Osnilda Lima/ Cáritas Brasileira
*Fonte: Site da CNBB

Conteúdo Relacionado
X