Pescadores artesanais terão momento de escuta para o Sínodo da Amazônia

0

De 16 a 18 de outubro, pescadores e pescadoras artesanais do Pará, do Maranhão, do Amapá e do Amazonas estarão reunidos em Belém (PA) para o Seminário de Escuta promovido no contexto da preparação para o Sínodo para a Amazônia, marcado para o próximo ano. O evento acontece na sede do Regional Norte 2 da CNBB, em Belém.

A ideia surgiu no 3º Encontro dos Bispos da Amazônia Legal, realizado em Manaus, no mês de agosto. “Como a gente está na preparação para o Sínodo para a Amazônia, nós achamos por bem e levantamos essa ideia de se ouvir também os pescadores e pescadoras artesanais também da Amazônia Legal”, explica o bispo de Brejo (MA) e referencial do Conselho Pastoral dos Pescadores, Dom José Valdeci Santos Mendes.

O bispo destaca a importância de serem ouvidos “o clamor e o grito dos pescadores e pescadoras” que vão vendo morte dos rios e enfrentando desafios como a questão do agronegócio e a construção de parques eólicos e usinas hidrelétricas. Tudo isso atinge em cheio também nossos pescadores e pescadoras”, observa.

Na Amazônia, a Pastoral dos Pescadores registra 12 ocorrências de conflitos socioambientais relacionados à pesca artesanal. São cinco regiões com registros de conflitos no Maranhão, sendo cerca de 22 mil famílias atingidas. No Pará, em sete localidades, são 3286 famílias atingidas.

A experiência para contribuir

Durante este encontro de Belém, pescadores e pescadoras artesanais poderão participar da escuta dos povos e responder ao questionário em preparação para o Sínodo para a Amazônia convocado pelo Papa Francisco para outubro de 2019. “Em um Sínodo tão importante para toda a Igreja na Amazônia, achamos por bem que os pescadores e pescadoras possam ser ouvidos. E eles têm muito a contribuir conosco a partir da experiência, a partir da vivência, a partir dessa ligação com a própria natureza”, salienta Dom Valdeci.

A assessoria do seminário ficará por conta do Padre Dário Giuliano Bossi, assessor da Rede Eclesial Pan-Amazônica/REPAM Brasil.

*Fonte: Site da CNBB
**Com informações da Repam Brasil

Conteúdo Relacionado
X