social facebook social twitter social youtube

Cem anos do Movimento de Schönstatt

Celebramos os cem anos do Movimento Apostólico de Schönstatt que tem feito extraordinário trabalho espiritual no Brasil e em várias partes do mundo. Muitas Dioceses o celebraram no dia 18 de outubro e a 1º de Novembro, foi a vez do Santuário de Aparecida-SP, transmitindo pela televisão para todo o território nacional. O Papa Francisco enviou seu legado – o Cardeal Lajolo – à cidade de Schönstatt na Alemanha para celebrar esta mesma data e abençoar esta extraordinária obra do Padre José Kentenich, fundada a 18 de outubro de 1914, na Alemanha e que hoje se espalhou para todo o mundo católico. No Brasil, graças ao trabalho de João Luiz Pozzobon, do Rio Grande do Sul, vêm crescendo dia a dia com grupos de famílias que se unem para rezar juntas, recebendo mensalmente em casa o ícone, ou capelinha, da Mãe Rainha. São hoje mais de quatro milhões de famílias que recebem em seus lares a visita da Mãe Peregrina. Os vinte e dois Santuários espalhados pelo território nacional são verdadeiros focos do Amor de Deus animando a fé, a oração e a coragem de nossas famílias hoje tão desafiadas por este mundo de contradições.

Tudo se iniciou de forma muito simples naquele dia 18 de outubro de 1914, quando Padre Kentenich reuniu um pequeno grupo de jovens estudantes para uma Aliança de Amor com Maria que, afinal, não era outra coisa senão uma grande aliança com Jesus, com o Espírito Santo e com Deus Pai. A Santíssima Trindade é a primeira família existente mesmo antes da criação. O termo ALIANÇA é muito feliz, pois nos remete à Bíblia reforçando a Aliança que Deus fez com Abraão, com Moisés, com o povo hebreu até chegar à Aliança feita de forma definitiva através da encarnação do Verbo, Jesus, Salvador para toda a humanidade.

O Movimento revela como Deus olha para as famílias de hoje como olhou para Maria, a rainha da família de Nazaré. Deus não desistiu das famílias, Deus não desamparou as famílias, Deus continua presente nos lares dos que o amam. Quando o ícone da Mãe Peregrina chega às casas, é recebido não apenas como uma imagem qualquer. É símbolo de algo muito maior, muito mais belo. É sinal forte da presença de Deus, manifestado por Maria, mãe bondosa que continua nos acompanhando do alto. Nos momentos alegres ela reforça a alegria. Nos momentos tristes ela conforta e anima a fé.

Posso dar um testemunho pessoal. Há dois meses partiu desta terra a minha querida mãe. Era uma grande devota de Nossa Senhora desde sua juventude. Rezava vários terços por dia e frequentava a Santa Missa quotidianamente. Amorosa à Mãe Rainha, recebia todos os meses, no dia 29, a Mãe Peregrina em seu lar. Pois, foi justamente a 29 de agosto – mês vocacional – quando recebia o ícone da Mãe Rainha em sua casa, que faleceu placidamente. Naquele momento de dor, mas também de fé na ressurreição dos mortos, podíamos contemplar ao lado de sua urna mortuária, no velório que foi feito em casa, o quadro da Mãe Rainha, Peregrina, como expressão viva e eloquente do AMOR DE DEUS que não falha em sua ALIANÇA DE AMOR.

O Movimento de Schönstatt é uma bênção de Deus para a Igreja neste momento complicado de história da humanidade. Diante de tantos desafios para a família, refletidas no último sínodo extraordinário com o Papa Francisco e bispos de várias partes do mundo. Diante de tantas idéias contraditórias a respeito da família, das uniões afetivas, da onda de infidelidade de certos casais, de outros que preferem se unir sem nenhum vínculo matrimonial, desprezando o sacramento e a bênção de Deus; tantos outros problemas como o desrespeito clamoroso de novelas que invadem os lares com o propósito de destruir os inalienáveis valores das famílias, o Movimento da Mãe Peregrina é uma força que traz paz e segurança às famílias que são desafiadas a “nadar contra a corrente”, como disse o Papa Francisco, na JMJ, no Brasil. É Deus que visita os lares todos os meses, de geração em geração, a todos os que crêem para garantir-lhes a força e a paz.

O Movimento da Mãe Rainha e Vencedora três vezes Admirável vem com uma força acontecendo há cem anos e prometendo renovar-se neste novo tempo que começa, como movimento evangelizador e missionário. É um veículo da Palavra de Deus e da oração de casa em casa. De comunidade em comunidade, de cidade em cidade, de país em país. Nessa onda de certos governos laicistas latino-americanos que parecem pretender criar uma sociedade sem Deus, a presença da oração e da Palavra de Deus nos lares é, sem dúvida, a esperança e a garantia que o povo vencerá estas pretensões ateístas de governos que em nome da laicidade querem impor regimes autoritários excluindo do povo o direito legítimo e inalienável de ser religioso. A visita mensal da Mãe Rainha traz Deus para o povo e garante que uma sociedade sem Deus é uma sociedade suicida, é a destruição de si mesma. Uma sociedade sem Deus facilmente cai num regime sem freios éticos, pois sem Deus facilmente os fins passaram a justificar os meios, tornando a mentira igual à verdade, a violência igual ao respeito, a corrupção igual à lealdade, o liberalismo sexual igual à fidelidade. E isto tudo não é de Deus, não é compatível com a dignidade natural da pessoa humana.

Parabéns! Querida família de Schönstatt . Estamos felizes no novo tempo. Cem anos já se passaram e foram de bênçãos, e se revelaram como sinal de que Deus espera muito de vós para evangelizar e santificar o mundo.

Dom Gil Antônio Moreira
Arcebispo Metropolitano de Juiz de Fora

 

Artigos

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6
  • 7
  • 8
  • 9
  • 10
Prev Next