social facebook social twitter social youtube

São Pedro, Primeiro Papa

Ao final de sua missão na terra, Jesus teve um diálogo com Pedro. Ao largo do Lago de Genesaré, após a pesca miraculosa, recebe os Apóstolos para a refeição. São João, em seu evangelho, informa que Jesus chama Pedro para um pessoal colóquio, no qual pergunta, por três vezes, sobre seu amor. "Pedro, tu me amas?" (Jo 21,17). Com a resposta de Pedro: “Tu sabes que te amo”, o Senhor lhe dá a última ordem: “Apascenta as minhas ovelhas(idem ibdem).

Deste diálogo de amor se confirma a missão de Pedro como chefe visível da Igreja, coordenador do grupo dos apóstolos. A escolha de Pedro já se havia patenteado noutro diálogo anterior entre Simão Pedro e seu Mestre. Foi quando o Senhor perguntou aos seus discípulos sobre o que diziam os homens sobre o Filho do Homem (cf. Mt 16, 13-19), ao que responde Pedro: “Tu és o Messias, o Filho do Deus Vivo”. O Senhor, a partir de então, o confirma a respeito da Igreja: “És feliz, Simão, filho de Jonas, porque não foi nem a carne e nem o sangue que te revelou isto, mas o Pai que está no céu. E eu te digo: tu és Pedro e sobre esta pedra eu edificarei a minha Igreja e as portas do inferno não prevalecerão contra ela. Dar-te-ei as chaves do Reino dos Céus, tudo o que ligares na terra, será ligado nos céus, tudo o que desligares na terra será desligado nos Céus” (Mt 16, 18-19).

Após a eleição de Pedro, percebe-se que ele passa a ter lugar de destaque entre os demais discípulos do Senhor, como se pode perceber na lista dos apóstolos citada pelos santos evangelhos, onde o nome de Pedro aparece sempre em primeiro lugar (Cf. Mt 10, 1-4; Lc 6, 13-16).

Poder-se-ia perguntar por que o Senhor escolheu Pedro, tendo sido ele um pecador capaz de negar a Cristo diante da empregada o Templo. Certamente porque a falta fora superada plenamente por Pedro, demonstrando, no seu agir, muitas outras virtudes que agradaram ao Senhor da Messe e Pastor do rebanho, entre as quais algumas são evidentes nos textos do evangelho, como a humildade, a sincera conversão, a transparência de alma.

Certo é que as escolhas na Igreja, como cremos, são de iniciativa dos mistérios de Deus, manifestados na mediação humana, como na eleição dos Papas, sucessores de Pedro. Bento XVI, perguntado pelo jornalista Peter Seewald se deveria ou não ter aceito sua eleição, uma vez que ele renunciara ao Papado, respondeu: “Na verdade, essa foi uma questão muito séria para mim. Mas me impressionou que, no pré-conclave, muitos cardeais haviam praticamente combinado em quem votar antecipadamente, e essa pessoa deveria – mesmo que não se sentisse à altura de carregar a cruz – se curvar ao voto da maioria de dois-terços e ver nele um sinal. Esse seria um dever interno para ele. Isso foi trabalhado com tanta seriedade e grandeza que eu acreditei no seguinte: se realmente a maioria dos cardeais proferiu esse voto, esse é um voto vindo do Senhor, e por isso eu tinha o dever de aceitá-lo” (Peter Seewald, in Bento XVI, o último Testamento-Editora Planeta-2017).

Pedro hoje se chama Francisco. Como legítimo sucessor de Pedro, prossegue como timoneiro na barca de Cristo, singrando mares, ora calmos, ora bravios, garantindo a perpetuação da missão e a unidade desejada pelo Salvador: “Que todos sejam um, como eu e o Pai somos um” (Jo.17,21).

A Francisco, garantimos nosso amor filial, nossa adesão fraternal e nossa admiração pelos dons de cativar o mundo para Cristo, como vem fazendo. A ele desejamos muitos anos no trabalho que o Pai lhe confiou na condução do rebanho de Cristo, apascentando-o neste mundo, até os prados eternos.

Dom Gil Antônio Moreira
Arcebispo Metropolitano
Juiz de Fora, 29 de junho de 2017

Artigos

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6
  • 7
  • 8
  • 9
  • 10
Prev Next