social facebook social twitter social youtube

Santo Antônio de Juiz de Fora

Quem hoje vai de Juiz de Fora para Leopoldina, ao subir a Rua Francisco Cerqueira Cruzeiro, à altura do número 770, no bairro Santo Antônio, avistará, à direita, uma pequena igreja que é a sede da Paróquia Santo Antônio do Paraibuna, criada por mim a 12 de junho de 2011, com o fim de marcar importante dado histórico: ali nasceu Juiz de Fora. Novo projeto arquitetônico promete valorizar ainda mais o espaço e, mais uma vez, destacar a pessoa de Jesus Cristo anunciada por Santo Antônio, seu discípulo pregador do evangelho no século XIII e que continua agregando pessoas para Deus em nosso tempo.

Os primeiros moradores desta região aqui viveram nos princípios do século XVIII, à margem do chamado Caminho Novo, trilha que ligava Rio de Janeiro a Vila Rica. A história local reserva como marco inicial de Juiz de Fora a fazenda de Antônio Vidal que, em 1741, pede ao Bispo do Rio de Janeiro licença para erigir uma capela em hora de Santo Antônio, com o fim de ele e sua família, não ficarem privados dos Sacramentos da Igreja de Cristo, que ao Brasil chegou junto com o colonizador, pelo regime de Padroado.

Dada a autorização pedida, ergueu tal capela no local acima mencionado, conhecido por Morro da Boiada que se tornou centro de pequena povoação.

Em 1812, outro Antônio (Alferes Antônio Dias Tostes) adquire a fazenda de Vidal e, estando aquela antiga capela em estado precário, pede nova licença à autoridade diocesana, agora já da Diocese de Mariana criada em 1745, para construir outra, o que de fato se realiza.

O povoamento ia lentamente crescendo, registrando-se, em 1831, conforme dados do Arquivo Publico Mineiro, 1.419 moradores no pequeno arraial ainda pertencente à Paróquia de Simão Pereira. A genuína fé cristã permanece viva entre o povo, animada pelos exemplos e o patrocínio de Santo Antônio que aglutina grande devoção na região. Prova-o a provisão emitida pelo Governo Provincial de Minas, datada de 8 de março de 1844, para que fosse construída nova capela em louvor do venerado santo, mais ampla e confortável, por ter aumentado consideravelmente o número de habitantes. Tal edificação já se dá em região mais plana, onde a população mais se desenvolveu, sendo trazida para ela a imagem original que antes se venerava na ermida do Morro da Boiada. Estamos já em época de pleno movimento da Estrada Geral que substituía o Caminho Novo, construída pelo engenheiro Henrique Halfeld.

Em 31 de maio de 1850, foi instalada por ordem do Bispo de Mariana, Dom Antônio Ferreira Viçoso, a Freguesia, ou seja, Paróquia de Santo Antônio do Paraibuna do Juiz de Fora, criada por ato do Imperador Dom Pedro II. Esta é a razão de se comemorar, civilmente, o aniversário da cidade nesta data.

Pelos esforços de Henrique Halfeld, à época membro da Irmandade do Santíssimo Sacramento, e do primeiro Pároco, Padre Thiago Mendes Ribeiro, a vila recebe, em 1856, o foro de cidade conservando o título de Santo Antônio do Juiz de Fora, desmembrada do município de Barbacena.

Com a construção da estrada de rodagem União e Indústria, a primeira macadamizada na América do Sul, inaugurada por Dom Pedro II em 23 de junho de 1861, mês do Padroeiro, ligando Juiz de Fora a Petrópolis, a cidade tomou novo impulso em desenvolvimento. Com o sensível crescimento populacional, foi necessário construir uma igreja matriz muito mais ampla que a interior, inaugurada em 1878, que, mais tarde, receberá ampliação e embelezamento após a criação da Diocese em 1924. Tais serviços arquitetônicos tiveram lugar nas décadas de 1940-50. Também a Diocese escolhera para seu padroeiro o mesmo Santo taumaturgo e mestre em bíblia, natural de Lisboa, falecido em Pádua, sempre venerado e invocado como intercessor, na única mediação de Cristo.

Ao celebrar a sua emancipação política, Juiz de Fora une as datas de 31 de maio à de 13 de junho, recordando fatos importantes da sua história, louvando seu Padroeiro, ao redor do qual a cidade nasceu, cresceu, continua a se desenvolver e a quem nós suplicamos bênçãos para todos os que aqui vivemos. Viva Juiz de Fora nos seus 166 anos!

Dom Gil Antônio Moreira
Arcebispo Metropolitano de Juiz de Fora

Artigos

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6
  • 7
  • 8
  • 9
  • 10
Prev Next